21 ago 2020

CEEE VAI SEPARAR TRANSMISSÃO E GERAÇÃO ATÉ O FIM DO ANO

ZERO HORA Economia – Marta Sfredo

Até o final do ano, o Grupo CEEE terá uma terceira empresa. Hoje, divide suas grandes áreas de negócios em uma empresa de distribuição e outra de geração e transmissão. Esses dois segmentos, que a legislação federal permite manter juntos, serão separados para tentar obter melhores resultados na privatização, em 2021.

Em teleconferência de apresentação de resultados do segundo trimestre, o presidente do grupo, Marco Soligo, confirmou que o objetivo é fazer a nova cisão até o final deste ano, para permitir que as empresas sejam ofertadas em leilões separados e, assim, representem mais oportunidades de ganho para o Estado.

Ao contrário da distribuidora (CEEE-D), que teve prejuízo de R$ 1,01 bilhão no primeiro  semestre, a empresa de geração e transmissão teve lucro de R$ 87 milhões de janeiro a junho. Boa parte desse resultado veio de uma revisão de critérios da agência reguladora do setor, que representou uma remuneração maior para seus ativos.

Conforme Soligo, a desestatização das três divisões está em curso, com reuniões semanais. A expectativa, confirmou, é fazer o leilão da distribuidora até o final deste ano, e as da geradora e da transmissora, no primeiro trimestre de 2021. Para isso, detalhou que o governo do Estado já tomou a decisão de separar as áreas, e a empresa já aplica a divisão aos balanços da primeira metade do ano.

Conforme Soligo, a empresa de transmissão, avaliada isoladamente, pode ser considerada “a melhor do Brasil”. A atual direção está focada em liberar um pacote de obras no valor de R$ 1,2 bilhão – para ser tocado pelo futuro controlador privado –, previsto no plano de outorgas, mas ainda dependente de autorização da agência reguladora. O presidente afirmou que a CEEE está sendo “proativa” e enviando detalhamento  dos projetos para acelerar a liberação. No caso da geradora, disse que é preciso ser ainda mais proativa para ampliar e modernizar usinas.

Scroll Up