09 nov 2020

Eletricidade volta ao Amapá, mas em esquema de rodízio

Fonte.: Valor Econômico

No sábado, a Justiça Federal deu prazo de três dias para que haja a “completa solução” da falta de luz, sob pena de multa de R$ 15 milhões

Por Isadora Peron e Hugo Passarelli

A eletricidade voltou ao Amapá durante o fim de semana, mas ainda em esquema de rodízio e com intervalos de seis horas. O escalonamento foi adotado até que a instalação de geradores na subestação da Isolux, origem do problema que gerou o apagão na maior parte do Estado, seja concluída. A volta da energia também foi possível com o aumento de produção na hidrelétrica de Coaracy Nunes.

Na madrugada de domingo, as incertezas sobre a volta da eletricidade geraram protestos em cidades como Macapá e Santana. Segundo mensagem do presidente Jair Bolsonaro no Twitter no início da noite de ontem, 76% do fornecimento de energia já havia sido restabelecido no Estado até então.

No sábado, a Justiça Federal deu prazo de três dias para que haja a “completa solução” da falta de luz, sob pena de multa de R$ 15 milhões. A decisão, assinada pelo juiz plantonista João Bosco Soares da Silva, atendeu a um pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede), que é do Estado.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Eletronorte, controlada pela Eletrobras, também foram acionadas para comprovar, em até cinco dias, que fiscalizaram regularmente o contrato com a concessionária de energia elétrica Isolux.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) pediu ontem investigação rigorosa sobre o caso. Ele defendeu que a Isolux perca a concessão e que o comando da subestação no Amapá seja assumido pela Eletronorte.

Na terça-feira passada, um incêndio danificou os três geradores de eletricidade da subestação de energia da Isolux em Macapá, gerando um apagão no Estado e prejudicando outros serviços, como comunicações e o fornecimento de água.

Ontem pela manhã, os municípios de Macapá, Santana, Tartarugalzinho, Amapá, Calçoene, Ferreira Gomes, Porto Grande e Serra do Navio começaram a receber eletricidade de forma intercalada, de seis em seis horas, segundo o governo estadual.

De acordo com cronograma do governo, bairros das cidades amapaenses terão luz a partir de um esquema alternado nos intervalos de 0h às 6h, 6h às 12h, 12h às 18h e 18h à meia-noite. O rodízio de energia não vale para unidades que prestam serviços essenciais, como hospitais, centros da covid-19, unidades de pronto atendimento, bancos e empresas de telecomunicações.

O atendimento 24 horas também está assegurado à Estação de Captação e à Estação de Tratamento da Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa), para o fornecimento de água potável.

Com a volta parcial da energia, dez municípios começaram a ter o abastecimento de água normalizado. Na capital Macapá, o sistema central já operava com toda a capacidade. Em Santana, região metropolitana de Macapá, o sistema central de água recebeu geradores de energia ontem.

Já as estações de água isoladas na capital e municípios funcionarão de acordo com os horários de fornecimento de energia, informou o governo estadual.

No sábado, o governo do Amapá realizou reunião de gerenciamento de crise com a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Social, Exército Brasileiro e a Infraero para debater ações para diminuir os impactos do apagão que atingiu a maior parte do Estado.

Scroll Up